Avançar para o conteúdo principal

Mulherio e os falsos elogios

Ser mulher é, provavelmente, uma das mais difíceis tarefas da Humanidade! Não me digam que é estar à frente dos destinos de um país, tomar decisões sobre o rumo económico de uma nação ou escolher as últimas novidades tecnológicas ao serviço da Defesa!

Ser mulher é, provavelmente uma das mais difíceis tarefas da Humanidade! Aterrar na Lua ou enviar uma missão não tripulada a Marte é "peaners" (como diz o outro!) quando comparado com a capacidade de organização, de abstracção, de concentração e a resiliência que todas nós, enquanto mulheres, temos de ter todos os dias, desde que acordamos até ao momento em que deitamos a cabeça na almofada, após mais um dia daqueles...

Todas nós vivemos rodeadas dos clichés de sempre, desde pequenas... Parece que as hormonas e a nossa condição feminina consegue ser justificação para tudo e para nada. Desde a boa disposição às lágrimas mais inesperadas, as hormonas, essas malvadas moleculazinhas com veia de diabo, são sempre o mordomo de serviço que assassinou o patrão.

Esta nossa condição de mulher torna-nos permanentemente insatisfeitas com o mundo, revoltadas muitas vezes, com uma profunda tristeza no peito outras tantas... Porque sabemos que nem sempre o mundo pode seguir o rumo que pretendemos. Porque sabemos que nem sempre o vestido pelo qual nos apaixonámos na loja nos cai como uma luva como pretendíamos... Ou simplesmente porque o nosso mais que tudo deixou a tampa da sanita lavada quando foi à casa-de-banho pela manhã...

Seria de esperar que as mulheres, essas que são tal e qual com nós e que vivem exactamente as mesmas angústias, fossem capaz de nos entender em toda a nossa plenitude e ajudar-nos a ultrapassar os dias menos bons e a tornarem a tempestade em bonança... Pois, mas nem sempre isso é assim e, caso assim fosse, viveríamos num mundo bastante melhor e mais tranquilo... Com menos lágrimas e menos inseguranças.

E tudo isto para vos falar na fotografia que vi no outro dia no Instagram da Vera de As Viagens dos Vs com as peculiares hashtags #fimaobullyingentremulheres, #umaspelasoutras e #amulherequemanda e que me deixou a pensar... Quantas de nós já sentimos o nosso dia arruinado por aquele comentário muito fofinho mas de uma malícia escondida sobre a nossa roupa ou a nossa maquilhagem? Quantas de nós não tivemos já a consciência de que aquele sorriso rasgado estava carregado de más energias? Pois... Nós somos mesmo as nossas piores inimigas. Todas temos a consciência de que um local de trabalho em que predominem as mulheres dificilmente estará livre de confusões por muito tempo. Todas as que frequentamos os grupos de mães no Facebook sabemos existe sempre uma pedra pronta a ser atirada quando temos uma dúvida ou dizemos que fazemos isto ou aquilo com os nossos filhos. Quando os homens nos dizem que são mais facilmente amigos uns dos outros, é mesmo por esta razão: o pior bullying de que uma mulher pode ser alvo parte, na maior parte dos casos, da mulher que está ao seu lado. Temos todas ao nosso alcance, fruto de compreendermos tão bem as vicissitudes hormonais e oscilações mensais, o ombro mais amigo que podemos colocar à disposição de outra mulher que esteja a ultrapassar uma fase menos boa... Mas nem por isso somos capazes de o oferecer de forma genuína. É certo que nem todas somos assim umas para as outras e felizmente que é assim! Mas, na maior parte dos casos, deixamos de rastos outras mulheres com comentários tão simples como "Ah estás tão bem!" mas com aquela entoação que torna tudo pincelado de falsidade dissimulada...

Sejamos mais amigas umas das outras. Sejamos capazes de dar o nosso melhor pela mulher ao nosso lado, mesmo que seja uma perfeita desconhecida. Para que não sejamos as piores personagens do bullying contra mulheres!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

You shall not pass!... Ou como depois de estarem cá fora, os nossos filhos podem trocar-nos completamente as voltas!

Por estes dias, vi uma imagem no Facebook sobre a qual não pude deixar de escapar um sorriso... E aqui está ela:

Quantas de nós, durante a gravidez de nos primeiros meses após o parto, não tivemos conversas como as da imagem de cima? Num mundo perfeito, cor-de-rosa e utópico, tudo na maternidade corre como planeámos ou idealizámos durante a gravidez. Nada nos consegue trocar as voltas, o nosso bebé dorme a noite inteira desde que sai da nossa barriga. Nada de choros, cólicas nem vê-las! E quando chegar a altura da introdução da alimentação complementar, vamos ser umas mães do que perfeitas e vamos dar sempre toda a alimentação o mais caseira possível. Nada de cerelacs e afins para os nossos filhotes. E muito menos TV e coisas desse género que são o entretenimento mais fácil a que os pais podem recorrer quando estão desesperados com a casa em estado de guerra e não conseguem fazer nada. Somos todas mães em modo Gandalf... Papas industrializadas, canais Panda, Baby First e afins, you s…

O meu bebé já se senta e consegue transformar uma abóbora num barco com um canivete suíço!

Todos os pais, principalmente, na fase em que os filhotes são bebés, anseiam por todas as coisas novas que ele será capaz de fazer. Acompanhar objectos com o olhar, rebolar, sentar sem apoio, conseguir sentar-se sozinho, gatinhar, andar... E por aí fora! Estamos sempre à espera de quando será o momento e sempre a desejar conseguir imortalizar o momento em foto ou vídeo... E todas estas conquistas do nosso bebé surgem, inevitavelmente, em qualquer conversa que tenhamos com outras mães. E é aí que nos podemos começar a corroer por dentro...
Em todas as conversas, parece que os bebés das nossas amigas, e que têm menos idade que o nosso, conseguem sempre fazer muito mais coisas. É porque dorme a noite inteira desde que saiu da barriga (e não da maternidade que isso já é muito tarde!) e o nosso continua ainda a acordar de hora a hora para comer. É porque mama de 4h em 4h desde que saiu da maternidade e, nesse tempo, as nossas amigas conseguem ir ao ginásio, ao cabeleireiro, à manicure e à…

O meu filho tem três anos mas vou já oferecer-lhe um avião particular!

Prendas. De todas as formas e feitios. Em quantidades astronómicas que a criança nem sequer tem tempo para brincar com tudo o que lhe deram...A muitos poucos dias do primeiro aniversário do meu baby, este é um assunto que não pode deixar de estar presente na minha mente. Numa sociedade cada vez mais (demasiado!) consumista e em que vejo mães preocupadas com que prenda material podem dar a uma criança de seis, sete ou oito anos, assusta-me e penso se estaremos a passar os valores correctos aos nossos filhos. Ou, pelo menos, se o estaremos a fazer da forma correcta... Obviamente que uma criança necessita de brinquedos, daqueles adequados à sua idade, para promover o seu desenvolvimento psíquico e motor. Não se lhe deve vedar a possibilidade de brincar pois as crianças são mesmo para isso: para brincar! Mas será que, ao estaremos sempre em busca do presente versão última bolacha do pacote, não lhes estaremos a transmitir que necessita sempre de estar em busca do último berro em objectos …